19 de Julho de 2011

A rotação de culturas

A rotação de culturas é um método utilizado na agricultura desde os seus primórdios. Os agricultores observaram que o cultivo continuado das mesmas culturas nos mesmos locais, favorecia a disseminação de pragas e pestes e reduzia a fertilidade do solo.


Assim, a solução passou por se passar a cultivar uma espécie de verão, outra de Inverno, e deixar o terreno em pousio durante uma estação de cultivo para recuperar. Este sistema de triénio foi utilizado na Europa até ao final do Séc. XVI. No entanto, a partir desta época foi modificado para um ciclo de quatro anos por agricultores na Bélgica, onde o trigo, tulipas, cevada e trevo produziam um sistema sustentável para alimentar pessoas e animais. O trevo não só servia de alimento a animais, como também fixava o Azoto no solo, fertilizando-o.

Nas hortas modernas, o processo de fertilização e gestão dos nutrientes do solo é conseguido se plantarmos raízes (batatas, nabos, cenouras,etc.), aliáceas, leguminosas e legumes.

As raízes arejam o solo. As aliáceas têm uma acção anti-bacteriana no solo deixando-o “limpo”. As leguminosas fixam o azoto no solo deixando-o mais rico. Por último, os legumes e frutos, sedentos de azoto, beneficiam dos mimos que lhe foram deixados pelos seus antecessores e fornecem-nos maravilhosos vegetais.

No entanto, e antes que tome estas regras como a “Lei da Horta”, lembre-se que a agricultura não é uma ciência exacta e que existem diversos caminhos para se chegar à meta. Por exemplo, não é possível utilizar em simultâneo o sistema de Rotação de Culturas com o sistema de Consociação de Culturas, em que plantas companheiras podem ser cultivadas juntas e plantas antagónicas devem ser cultivadas em lugares afastados. Podemos cultivar em linhas alternadas cenouras e cebolas, o que afastará a mosca da cenoura.

Também não é compatível com a rotação, a alternância entre legumes de crescimento lento e legumes de crescimento rápido, em que se pretende cultivar todo e qualquer espaço disponível, produzindo bastante alimento em espaços reduzidos.

Para estes sistemas de cultivo em que não há rotação de culturas, a fertilidade poderá ser reposta no solo através da colocação de composto ou enterrando adubos verdes.